20 de fevereiro de 2011

Soneto para 2010 ano de trágicos amores.


O crepúsculo sereno nas manhãs de 2010.
As ruas incendiadas de pedestres vestidos de ultrajes.
A paz se extingue entre as moradas do medo.
Construções de pedras carne e desamor.

Ah as ruas desertas de sorrisos confiantes.
De homens fardados vigiando e amando.
As silhuetas humanas amantes frágeis.
Vestidas de sol de lua e de flor.

Quem dera voltar ao crepúsculo sereno.
Trajado de luz cadente e de véus.
Descortinando a aurora permanente.

Nas ruas solitárias de sangue.
Banhadas com as lagrimas d’olhos
Dos amantes da vida e de bem viver.


*** Necessitamos de um banho de amor ***
Em cada amanhecer.***

Imagem Google

Um comentário:

  1. Um longo, demorado banho de amor, minha amiga! - Parabéns! - Abração

    ResponderExcluir