10 de maio de 2012

Depressão e Bipolaridade. (Crônica).



Há oito anos a minha filha precisou  sofrer  uma cirurgia bariátrica, e uma gravidez antes de completar dois anos de resguardo cirúrgico seria de alto-risco, e  foi o que aconteceu com ela. Ficou grávida  três meses  depois, e em  todas as consultas de pré-natal o obstetra sugeria o aborto, porque o organismo dela só absorvia quarenta por cento dos nutrientes necessários para ela, e gerar um bebe nestas condições era colocar a vida de ambos em risco. Mas ela se negou a abortar e durante o pré-natal a equipe médica se preparou para realizar o parto cesáreo no dia marcado  com todo equipamento necessário para a chegada do bebê, (Maria Vitória), no hospital, mas não foi assim que aconteceu. No dia quinze de março do ano dois mil e cinco a minha filha sofreu um rompimento de placenta foi levada para o Hospital da Beneficência Portuguesa, (era o mais próximo do seu local da trabalho) Ela nasceu com o peso de dois quilos novecentos e sessenta gramas, milagrosamente,  não precisou  usar nenhum aparelho e nem incubadora,  tudo estava bem com ela graças a Deus,  mas a minha filha ficou muito mal, precisou receber sangue, (muito sangue) e por mais de vinte e quatro horas ficou sob observação médica. Graças a Deus, mais uma vez e sempre, deu tudo certo e elas voltaram para casa.
A minha filha sentia depressão pós-parto, e depois de alguns dias de depressão, síndrome do pânico.  Ela era evangélica (não por isso) ela decidiu entregar nas mãos de Deus e não foi ao médico para cuidar desses sintomas, dias passava bem e outros muito mal, após um ano, decidiu se demitir do trabalho onde gerenciava a empresa desde os dezesseis anos, (ela tinha vinte e oito anos ) e foi então que ela piorou muito.
Aquela mulher forte, determinada, atuante, comunicativa, e extremamente alegre, tornou-se apática, triste, insegura e doente, sentia fortes dores de cabeça, muita depressão, e não conseguíamos que ela fosse ao médico, estava tudo nas mãos de Deus. Ela continuou com as atividades que exercia na Congregação, viajava para a cidade de Paraty duas vezes por mês e  ensinava música para os irmãos da mesma fé. Eles (meu ex-genro e ela) compraram uma casa na cidade para facilitar a permanência deles,  ali,  durante os dias de missão.  Na casa tinha uma moldura com uma foto da imagem de Jesus, e uma irmã da congregação falou para ela que naquele quadro  tinha um espírito e que ele precisava ser queimado. Ela retirou a foto e na mesma moldura colocou uma foto da Maria e deu para mim de presente (eu amei).
O tempo foi passando, a dor de cabeça não passou, nem a depressão e nem o medo de coisas que ela não sabia explicar. Mas,  ela dirigia o carro dela, como sempre dirigiu, até hoje, muito bem, cursava a faculdade, ensinava música na APAE da cidade de Ferraz de Vasconcelos, era apoio da Pastoral da Criança, e uma exímia mãe de família, até que no dia dois de fevereiro de dois mil e dez ela teve uma crise, um surto psicótico, (na época não sabíamos o que era) **(ficou três dias e noites sem dormir, mandou o marido embora,  ela sentia ciúmes dele, disse que não seria mais crente, que estava apaixonada por outro, (não sabemos se é verdade, aliás, não sabemos da sua verdade), quis por fogo no quadro,  não se alimentava, chorava muito e  parecia ausente)** Foi internada e ficou por onze dias no hospital. Teve alta com o diagnóstico de *Distúrbio Emocional e Afetivo* Durante os  dois meses seguintes mandou o marido embora nove vezes e noves pediu que ele voltasse. No último encontro ele disse que não voltaria mais se ela não fosse embora com ele. (Ele tinha sido transferido para o Sul) Ela não foi e ele não voltou mais. Ela voltou para o antigo trabalho exercendo a mesma função, graças a  Deus.  Depois de dois meses de separação  ela conheceu um rapaz e quis casar-se novamente, após o divórcio, casou-se, mas  não continuou com o tratamento médico,  depois de onze meses de casada sofreu outra crise, mandou o marido embora, voltou ao tratamento e grupo de terapia médica, foi diagnosticada Bipolar, esta trabalhando e se cuidando. Não sabemos como será o dia amanhã, ninguém sabe.
A minha intenção com esta crônica??? ... É fazê-lo (a) entender que não deve subestimar  a depressão, não despreze a medicina por causa da sua Muita Fé. Deus está com os médicos também. Tome o remédio que foi prescrito, se não,  você terá recaída e é pior do que a primeira manifestação da doença. Ter  um desequilíbrio  mental  não é ser  louco, não aceite a negação da sua doença, aceite a sua realidade, enfrente o problema e se cuida, continue orando, rezando, não permita que as coisas daqui da terra  tire a certeza  das coisas que estão  no céu. Ele nos espera.  Você ficará bem, quem ama você não deixará de amá-lo por isso e se deixar é porque não te merece. Cuide-se. Confie no médico e abre o seu coração para ele Deus estará te ouvindo...
Pesquise na internet os assuntos relacionados a sua doença, vá ao médico, se cuida e seja muito feliz! Não menospreze o sintoma de depressão!


Imagem Google.

7 de maio de 2012

Mensagem para fortalecer a tua bondade.

Mensagem A lenda do Monge e do Escorpião

Monge e discípulos iam por uma estrada e, quando passavam por uma ponte, viram um escorpião sendo arrastado pelas águas. O monge correu pela margem do rio, meteu-se na água e tomou o bichinho na mão. Quando o trazia para fora, o bichinho o picou e, devido à dor, o homem deixou-o cair novamente no rio. Foi então a margem tomou um ramo de árvore, adiantou-se outra vez a correr pela margem, entrou no rio, colheu o escorpião e o salvou. Voltou o monge e juntou-se aos discípulos na estrada. Eles haviam assistido à cena e o receberam perplexos e penalizados.

"Mestre, deve estar doendo muito! Porque foi salvar esse bicho ruim e venenoso? Que se afogasse! Seria um a menos! Veja como ele respondeu à sua ajuda! Picou a mão que o salvara! Não merecia sua compaixão!"

O monge ouviu tranquilamente os comentários e respondeu:

"Ele agiu conforme sua natureza, e eu de acordo com a minha."


(Internet)
Vivemos o resultado das nossas escolhas.
Nunca é tarde para recomeçar.

Imagens Google.